Buscar
Buscar

flag-expressa

As Almas do Povo Negro

Por: R$ 54,90

Preço a vista: R$ 54,90

+-
Comprar
Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 54,90
Outras formas de pagamento
Sinopse
Ficha Técnica
As Almas do Povo Negro

Grupo Livros

AutorRogério de Campos, Silvio Almeida, W.E.B. Du Bois
ISBN9786586691139
TítuloAs Almas do Povo Negro
EditoraVeneta
Ano de Edição2021
IdiomaPortuguês
Número de Páginas296
País de OrigemBrasil
AcabamentoBrochura
Altura23
Largura16
Profundidade1
Peso500
FormatoFísico
OrigemBrasil
Serie/Coleçãovazio
Volumevazio
Sinopse“Um dos mais importantes legados intelectuais do século XX (...) Du Bois parte da experiência negra para compreender o mundo em suas tramas mais complexas”, do prefácio de Silvio Almeida.   "Neste livro, Du Bois antecipa em mais de um século discussões fundamentais para a luta antirracista contemporânea ao trazer à tona temas como o privilégio branco e a importância das lutas negras por liberdade. As Almas do Povo Negro é uma das obras mais originais do século XX e é sem dúvida um dos mais importantes livros para compreendermos a história das relações raciais em todo Atlântico" – Lia Vainer Schucman     Lançado em 1903, As Almas do Povo Negro é considerado a pedra fundamental do movimento negro nos Estados Unidos no século XX. Pode-se dizer que absolutamente todas as lideranças desse movimento – de Martin Luther King Jr. aos Panteras Negras, do jamaicano Marcus Garvey a Malcolm X, do pastor Jesse Jackson à marxista Angela Davis – mergulharam nestas páginas e saíram delas com concordâncias, discordâncias, mas, sempre, com inspirações. Com sua mistura de sociologia, história, autobiografia, ficção e manifesto, foi também, na opinião do crítico literário Arnold Rampersad, a base da literatura de James Baldwin, Toni Morrison, Richard Wright e tantos outros: “toda a literatura afro-americana deriva da visão abrangente da natureza humana que Du Bois apresenta em As Almas do Povo Negro”. E a influência vai além, e pode ser notada, por exemplo, em momentos da música de John Coltrane ou do Public Enemy. Mas de todos os elogios que este livro recebeu, o melhor talvez seja um involuntário, feito em 1903 pelo Nashville Banner, um jornal direitista do Tennessee: “Esse livro é perigoso para ser lido pelo negro, porque só vai incitar o descontentamento e encher sua imaginação com coisas que não existem, ou coisas que não deveriam estar em sua mente”.   Uma edição com prefácio de Silvio Almeida, ilustrações de Luciano Feijão e centenas de notas e comentários.
Edição1
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio