De segunda a sexta, das 08h às 18h

Sábado das 09h às 17h20

Exceto Feriados.

Siga a Vila

Buscar
Buscar

Inquérito Paulo Freire - a Ditadura Interroga o Educador

Por: R$ 45,00

Preço a vista: R$ 45,00

+-
Comprar
Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 45,00
Outras formas de pagamento
Inquérito Paulo Freire - a Ditadura Interroga o Educador

Grupo Livros

AutorJoana Salém Vasconcelos
ISBN9786560080379
TítuloInquérito Paulo Freire - a Ditadura Interroga o Educador
EditoraElefante
Ano de Edição2024
Número de Páginas128
AcabamentoBrochura
Altura18
Largura13
Profundidade2
Peso150
Serie/Coleçãovazio
Volumevazio
SinopseEm 1964, Paulo Freire foi preso duas vezes pelo 4o Exército. Na primeira, em 16 de junho (aniversário de sua esposa, Elza), foi levado de casa por dois soldados e permaneceu com paradeiro desconhecido por cerca de 24 horas. Oficiais chegaram a negar que Freire estivesse detido, mesmo com sua família tendo testemunhado a prisão. Depois, admitiram que ele estava encarcerado na Segunda Companhia da Guardas do Recife. […] Freire ficou preso por mais de setenta dias, entre junho e setembro de 1964, na Segunda Companhia da Guardas do Recife e na Cadeia de Olinda. Amargou o começo da prisão numa cela solitária, com apenas 60 centímetros de largura e 1,7 metro de comprimento, com “paredes de cimento áspero, [que] não dava para encostar o corpo” , como lembraria mais tarde. […] O primeiro interrogatório do tenente-coronel Hélio Ibiapina com Paulo Freire ocorreu em 1o de julho de 1964, quinze dias depois de sua “prisão para averiguação”. Constava no prontuário da Delegacia de Segurança Pública de Pernambuco que Freire “era um dos responsáveis pela subversão no campo da alfabetização de adultos” e que “essa subversão era executada com recursos financeiros do próprio governo federal, com ajuda da Aliança para o Progresso”. […] O segundo interrogatório registrado no IPM ocorreu em 16 de setembro, foi mais duro e mais breve. […] O Inquérito Policial Militar de Paulo Freire é um documento conhecido dos historiadores. Com este pequeno livro, o conteúdo integral dos dois interrogatórios aos quais foi submetido entra em circulação para um público mais amplo, integralmente revisado e com notas de contextualização. É uma fonte histórica que pode mobilizar uma interessante variedade de debates formativos que tratem, por exemplo, das formas da repressão na ditadura brasileira, do significado documental de um IPM, da situação de Pernambuco em 1964, das modalidades das acusações, do esquema mental dos opressores, da paranoia anticomunista dos golpistas e da natureza do medo do opressor frente à pedagogia freiriana — enfim, do tenso encontro, dentro de uma sala, entre dois projetos antagônicos de Brasil. — Joana Salém Vasconcelos, na Apresentação
Edição1
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio

Quem viu, também comprou