Buscar
Buscar

Um Homem Bom

Por: R$ 35,00

Preço a vista: R$ 35,00

+-
Comprar
Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 35,00
Outras formas de pagamento
Um Homem Bom

Grupo Livros

AutorThiago Barbalho
ISBN9788573215625
TítuloUm Homem Bom
EditoraIluminuras
Ano de Edição2021
IdiomaPortuguês
Número de Páginas96
País de OrigemBrasil
AcabamentoBrochura
Altura20,5
Largura13,5
Profundidade5
Peso70
OrigemBrasil
Serie/Coleçãovazio
Volumevazio
SinopseUm animal que perde seu território seguro por causa do anseio implacável de conhecer outros mundos; um homem destituído da capacidade da comunicação e que se põe a investigar a essência da linguagem; os transtornos da lucidez de quem foi banido da aderência com o mundo e já não é mais capaz da inocência de primeira ordem; a linguagem sedutora e as suas flechas enfeitiçadas, abrindo caminho no tremor do sexo; as ambiguidades do bem e do mal, a liquidação do maniqueísmo e as misturas do imiscível; o parto e o vir ao mundo de uma criança esperada numa comunidade alternativa; o confronto entre o eu e o si-mesmo-outro e a eclosão do dizer na disputa incessante entre heterônimos que reivindicam a vitória sobre a heteronomia; uma aula inaugural interrompida pelo sono súbito de um professor enquanto refletia sobre sua narcolepsia; as genealogias da ira e do ressentimento, os perigos e as delícias do desnudar-se neste tópos; os paradoxos da psicologia do excluído e os esforços para nascer sem a presença do outro; a poética dos perdedores e dos vingativos; a reivindicação da amizade e as marcas e rugas de quem passa aberto pela vida. Esses e outros temas abordados nos onze contos de Um homem bom estão postos com maturidade no idioma de quem os incubou longamente até que a formulação adquirisse a dicção do necessário e do acabado. Thiago Barbalho é uma espécie de tataraneto de Dostoiévski, mas ele, enquanto rebento lúcido, tropical e contemporâneo dessa linhagem, sabe que não há metanoia que transfigure a dor de perder, e a crítica já se sabe vencida desde o início. Numa época de produção industrial da indignação, a escrita de Barbalho atravanca esta máquina com a doçura de quem já sorriu da própria crítica. A conjugação do lúdico e da lucidez resulta em uma alquimia literária que revela, em tempos de literaturas de projetos temáticos, um autor que encontrou as suas próprias questões e soube desdobrá-las, nascendo daí a palavra-seta que atinge certeira quem a lê.   Juliano Garcia Pessanha
Edição1
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio