0
0
Partir da Infância - Diálogos sobre Educação
Autor:
Editora:
Cód:
9788577534258

10%

Partir da Infância - Diálogos sobre Educação

Autor:
Editora:
Cód:
9788577534258

Disponibilidade

Não é possível calcular o valor do Frete para o CEP informadoPrazo de entrega válido para pedidos feitos até as 22h00 com cartão de crédito e aprovado na primeira tentativa.

De: R$ 49,90Por: R$ 44,91

Preço a vista: R$ 44,91

Economia de R$ 4,99

Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 44,91
Outras formas de pagamento
Opções de pagamento >
Comprar
Sinopse
Ficha Técnica

Calcule o valor do frete e prazo de entrega para a sua região

Sinopse

Descrição do Produto

Partir da Infância - Diálogos sobre Educação

Grupo Livros

AutorPaulo Freire
ISBN9788577534258
TítuloPartir da Infância - Diálogos sobre Educação
EditoraPaz e Terra
Ano de Edição2020
IdiomaPortuguês
Número de Páginas232
País de OrigemBrasil
AcabamentoBrochura
Altura21
Largura14
Profundidade1,2
Peso270
FormatoFísico
OrigemBrasil
Serie/Coleçãovazio
Volumevazio
SinopsePaulo Freire em defesa da comunicação na educação Partir da infância foi publicado originalmente em 1981 e é o primeiro livro da parceria entre Paulo Freire e Sérgio Guimarães. É organizado em duas partes. Na primeira, diálogo começa na própria infância de Freire e permeia todo o sistema educacional brasileiro. Os dois professores discutem o ambiente da sala de aula, a formação profissional do educador e a participação necessária do educando no processo de conhecimento. A segunda parte reúne longas conversas de Sérgio Guimarães e professoras, em São Paulo. Em 1963, em Angicos, interior do Rio Grande do Norte, trezentos trabalhadores rurais foram alfabetizados em apenas 40 horas, pelo método proposto por Paulo Freire. Esse foi o resultado do projeto-piloto do que seria o Programa Nacional de Alfabetização do governo de João Goulart, presidente que viria a ser deposto em março de 1964. Em outubro desse mesmo ano, Freire deixou o Brasil para proteger a própria vida. Apenas voltou a visitar o país em 1979, com a abertura democrática. “Mas estou convencido, na minha prática, de que a espontaneidade, a imaginação livre, a expressividade de si e do mundo na criança; a inventividade, a capacidade de recriar o já criado, para poder assim criar o ainda não criado, não podem, de um lado, ser negadas em nome da instalação de uma cega disciplina intelectual, nem, de outro, estar fora da própria constituição dessa disciplina, entendes, Sérgio?”
Edição2
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio

Quem viu, também comprou