Buscar
Buscar

entrega-expressa

Os Sete Pecados Capitais À Luz da Psicanálise

Por: R$ 59,00

Preço a vista: R$ 59,00

+-
Comprar
Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 59,00
Outras formas de pagamento
Sinopse
Ficha Técnica
Os Sete Pecados Capitais À Luz da Psicanálise

Grupo Livros

AutorWilliam Cesar Castilho Pereira
ISBN9786557130186
TítuloOs Sete Pecados Capitais À Luz da Psicanálise
EditoraVozes
Ano de Edição2021
IdiomaPortuguês
Número de Páginas304
País de OrigemBrasil
AcabamentoBrochura
Altura21
Largura13,7
Profundidade1,3
Peso330
FormatoPapel
OrigemBrasil
Serie/Coleçãovazio
Volumevazio
SinopsePecar e gozar Os sete pecados parecem ter inspirado a brincadeira popular de que “tudo o que é gostoso”, ou faz mal ou é pecado. Mas não se trata só disso. Daí, o que nos importa destacar neste livro é a relação entre cada um dos sete pecados e o que Lacan nomeou de gozo – evidentemente, com base no canônico Além do princípio do prazer, de Freud. O gozo é aquilo que se obtém ao atravessar a barra que limita nossa liberdade, em face da dignidade do outro, dos outros. O autor deixa para incluir essa consideração no último capítulo. Embora “gozo” seja o termo popularmente usado para designar o orgasmo, em Lacan o gozo é aquilo que ultrapassa tanto os prazeres permitidos quanto aqueles os que algumas religiões e diferentes códigos culturais proíbem. Gozo é o que atravessa a barra da castração simbólica que limita nossos excessos. Claro que a menção à teoria lacaniana para abordar o cânone bíblico é extemporânea, mas ajuda a revelar o que sempre esteve ali – ou “aqui”. As perversões flertam com o gozo – e, às vezes, chegam lá. O perverso se coloca em posição de exceção diante da barra que nos limita diante da dignidade e da liberdade do outro. A violência e os ódios, motivadores de outros pecados, também. Faço menção às liberdades extra-acadêmicas a que William Castilho recorre como a de tomar depoimentos de amigos, correndo o risco de ser acusado de falta de rigor. Ora, estamos aqui no campo da moral, das práticas de linguagem e, também, da ideologia. É preciso arriscar. A forma de rigor mais absoluta que conhecemos, como todos sabem, é o rigor mortis. O texto que aqui se apresenta é muito vivo. (Maria Rita Kehl)
Edição1
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio

Quem viu, também comprou