Buscar
Buscar

O Homem Que Aprendeu o Brasil: a Vida de Paulo Rónai

Por: R$ 89,90

Preço a vista: R$ 89,90

+-
Comprar
Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 89,90
Outras formas de pagamento
O Homem Que Aprendeu o Brasil: a Vida de Paulo Rónai

Grupo Livros

AutorAna Cecilia Impellizieri Martins
ISBN9786580309818
TítuloO Homem Que Aprendeu o Brasil: a Vida de Paulo Rónai
EditoraTodavia
Ano de Edição2020
IdiomaPortuguês
Número de Páginas384
País de OrigemBrasil
AcabamentoBrochura
Altura21
Largura14
Profundidade2,4
Peso500
FormatoFísico
OrigemBrasil
Serie/Coleçãovazio
Volumevazio
SinopseO retrato de um intelectual húngaro que marcou para sempre a cultura brasileira. Europa, 1940. Milhões de judeus estão condenados. Não há saída: o resto do mundo não os quer. Nada de asilo, vistos. Para a maioria, a morte é certa. Brasil 1941. Um jovem intelectual judeu, Paulo Rónai, que deixou a Hungria no fim do ano anterior, chega à segurança do Brasil. Não vem clandestinamente, com documentos adulterados e nome falso. Vem com o impossível visto legalmente obtido. Como o conseguiu? A resposta é tão inusitada quanto toda sua vida e carreira, rastreadas passo a passo e narradas com grande elegância por Ana Cecilia Impellizieri Martins nesta biografia pioneira e necessária. Inacreditavelmente, o que valeu a Rónai o salvo-conduto foi aprender português sozinho em Budapeste e publicar, às vésperas da Segunda Guerra, uma antologia de poesia brasileira que reunia Bandeira, Cecília Meirelles, Mário de Andrade e Drummond. Alguns deles se tornariam seus amigos pessoais e ele, paladino e intérprete de suas obras. Chegando ao Brasil, dedicou-se a duas tarefas: resgatar sua noiva e sua mãe, que ficaram na terra natal; e prosseguir seu trabalho literário, que, de início, consistia em continuar erguendo a ponte entre duas culturas distantes. Enquanto isso, provavelmente sem sequer percebê-lo, o judeu húngaro se metamorfoseou: tornou-se brasileiro, um dos grandes intelectuais brasileiros do século xx. Segundo um ditado húngaro, “Quantas línguas, tantas vidas”, e, ao se meter a aprender a “última flor do Lácio”, Rónai não sabia que esta é que lhe daria uma nova vida — perpassada pelo luto e pela melancolia da primeira, mas nem por isso menos vital.
Edição1
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio