Buscar
Buscar

flag-expressa

O Estado a Que Chegamos: a Falência de Um Modelo de Organização Que Impede o Desenvolvimento Nacional

Por: R$ 74,90

Preço a vista: R$ 74,90

+-
Comprar
Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 74,90
Outras formas de pagamento
Sinopse
Ficha Técnica
O Estado a Que Chegamos: a Falência de Um Modelo de Organização Que Impede o Desenvolvimento Nacional

Grupo Livros

AutorJoão Santana
ISBN9786555203424
TítuloO Estado a Que Chegamos: a Falência de Um Modelo de Organização Que Impede o Desenvolvimento Nacional
EditoraAlta Cult
Ano de Edição2021
IdiomaPortuguês
Número de Páginas352
País de OrigemBrasil
AcabamentoBrochura
Altura23
Largura17
Profundidade2
Peso300
FormatoPapel
OrigemBrasil
Serie/Coleçãovazio
SinopseUm dos méritos de O Estado a que Chegamos é mostrar que nenhuma das deformidades encontradas no Estado brasileiro é fruto do acaso — nem consequência de um destino que parece condenar um país rico como o Brasil a padecer cada vez mais com a falta de dinheiro. Escrito pelo advogado e ex-ministro João Santana, o livro mostra como o empreguismo, os salários absurdos e os privilégios do funcionalismo (além dos delírios dos que acham natural a sociedade sustentar estatais ineficientes e dezenas de outras moléstias nessa mesma linha) são frutos de opções conscientes. De decisões racionais tomadas em momentos em que se poderia ter seguido por caminhos bem mais virtuosos do que os escolhidos. Santana não se limita a relatar os episódios que protagonizou como secretário da Administração Federal e ministro da Infra-Estrutura do governo de Fernando Collor de Mello. Com uma visão lúcida e livre de paixões políticas, o livro analisa o arcabouço jurídico implantado no Brasil durante o regime de 1964. E mostra, sob a ótica liberal, como os civis que substituíram os militares no poder mantiveram a essência do que foi implantado naquele momento. A consequência das escolhas feitas é um Estado voraz na hora de cobrar impostos do cidadão e avarento na hora de devolvê-los à sociedade.A percepção de que o arcabouço jurídico dos militares não sofreu mudanças substanciais após a redemocratização é, sem dúvida, o mais original dos pontos defendidos. Há outros. O livro relata com clareza os principais pontos da reforma administrativa e do esforço pela redução do tamanho do Estado propostos por Collor. E mostra que as razões que levaram ao fracasso daquele projeto estão muito além dos motivos que estimularam a campanha pelo impeachment e levaram ao fim prematuro do primeiro governo eleito pelo voto direto no Brasil, depois do movimento de 1964. O Estado a que Chegamos é leitura indispensável para quem deseja compreender como e por que o país chegou aonde chegou e parece condenado a não sair do lugar. O advogado João Eduardo Cerdeira de Santana tinha 32 anos no dia 15 março de 1990, quando assumiu o comando da Secretaria da Administração Federal a convite do presidente Fernando Collor de Mello. Era um dos mais jovens integrantes da equipe que, em 1990, tomou posse junto com o primeiro presidente da República eleito pelo voto direto desde o golpe militar de 1964. Coube a Santana a responsabilidade de conduzir uma mudança radical em toda a estrutura no Estado brasileiro. As reflexões s
Edição1
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio