Buscar
Buscar

Martim Cererê

Por: R$ 54,90

Preço a vista: R$ 54,90

+-
Comprar
Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 54,90
Outras formas de pagamento
Martim Cererê

Grupo Livros

AutorCassiano Ricardo
ISBN9788503008013
TítuloMartim Cererê
EditoraJosé Olympio
Ano de Edição2003
IdiomaPortuguês
Número de Páginas256
País de OrigemBrasil
AcabamentoBrochura
Altura21
Largura14
Profundidade1,3
Peso310
OrigemBrasil
Serie/Coleçãovazio
Volumevazio
Sinopse"Um exímio exemplar do modernismo, iniciado pela Semana de Arte Moderna. ""Martim Cererê não é apenas paulista; é visceralmente brasileiro; não é apenas aborígine, é a síntese étnica em que entra o próprio imigrante (...)"" - Mário da Silva Brito   Publicado pela primeira vez em 1928, no auge da campanha renovadora, iniciada pela Semana de Arte Moderna, com ilustrações de Di Cavalcanti, Martim Cererê representa o ponto alto da vertente nacionalista e ufanista do verde-amarelismo. Constituído de poemas de formas e ritmo variados, como um livro de figuras, aproxima-se da técnica do desenho animado ou da história em quadrinhos, tendo um texto mítico e lírico de caráter épico e narrativo. O enredo desenvolve a lenda do surgimento da noite e do desenvolvimento do Brasil. O índio Aimberê e o marinheiro branco Martim apaixo-nam-se pela Uiara, que se propõe a se casar com aquele que lhe trouxes-se a noite. Martim vai a África e traz a noite que são os negros escravos. Da união, surgem os bandeirantes, que desbravam os sertões, plantam o mar verde dos cafezais e constroem as fábricas e arranha-céus da metró-pole paulistana. O poema retrata a formação do Brasil. Segundo Cassiano Ricardo, a influência do momento, o indianismo do grupo literário Anta, ao qual pertencia, em 1926, e que pugnava pelo estudo da cultura dos índios como base de autenticidade americana explica o nascimento de Martim Cererê. ""Escrevi um poema não apenas indí-gena mas racial, baseado no mito tupi, que, afinal, hoje lhe serve de argumento."" Modificado e acrescido de novos trechos, de edição para edição, veio a tornar-se um poema, pelo menos no que concerne a argumento e sucessão de composições até certo ponto ligadas entre si. A quinta edição foi incluída pela Companhia Editora Nacional, em 1936, na coleção Os Grandes Livros Brasileiros (volume IX). A sexta foi dada definitiva pelo autor com prefácio de Menotti Del Picchia. A oitava aparece em 1945, com gravuras originais de Goeldi. A décima foi incluída nas Poesias Completas do autor, editada em 1957 pela José Olympio. A 11a. foi especialmente ilustrada por Tarsila, em 1962. Foi uma espécie de Martim Cererê passado a limpo. A 12 ª edição, novamente da José Olympio, foi a última revista pelo autor que incluiu um artigo revogando as demais edições.   ""Cassiano juntou o exemplo à doutrina nesse grande poema, que será o Martim Cererê desta fase universalista do poeta, como o Cererê foi o Jeremias da sua fase nacionalista."" - Tri
Edição29
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio