0
0
Mario Que Não e de Andrade, o - o Menino da Cidade Lambida pelo Igarape Tiete
Autor:
Cód:
9788574061092

Mario Que Não e de Andrade, o - o Menino da Cidade Lambida pelo Igarape Tiete

Autor:
Cód:
9788574061092

Disponibilidade

Não é possível calcular o valor do Frete para o CEP informadoPrazo de entrega válido para pedidos feitos até as 22h00 com cartão de crédito e aprovado na primeira tentativa.

Por: R$ 44,90

Preço a vista: R$ 44,90

Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 44,90
Outras formas de pagamento
Opções de pagamento >
Comprar
Sinopse
Ficha Técnica

Calcule o valor do frete e prazo de entrega para a sua região

Sinopse

Descrição do Produto

Mario Que Não e de Andrade, o - o Menino da Cidade Lambida pelo Igarape Tiete

Grupo Livros

AutorLuciana Sandroni
ISBN9788574061092
TítuloMario Que Não e de Andrade, o - o Menino da Cidade Lambida pelo Igarape Tiete
EditoraCompanhia das Letrinhas
Ano de Edição2001
IdiomaPortuguês
Número de Páginas112
País de OrigemBrasil
AcabamentoBrochura
Altura23
Largura16
Profundidade0,67
Peso260
FormatoFísico
OrigemBrasil
Serie/Coleçãovazio
Volumevazio
SinopseOs dois protagonistas desta história são xarás. Mário, o garoto, vive num mar de prédios; o pai mora na Alemanha, a mãe está terminando uma tese interminável - e tudo o que ele quer é "esquecer de tudo". Mário, o de Andrade, morava numa cidade "lambida pelo igarapé Tietê" e gostava de viajar para redescobrir o Brasil; era poeta, romancista, pesquisador, professor de piano, musicólogo... etc. etc. Deixou uma obra de importância capital para a cultura brasileira. Os dois se encontram neste livro, construído por Luciana Sandroni a partir de cartas, poemas, romances e outros textos de Mário de Andrade. Enquanto narra sua história ao garoto Mário, o autor de "Macunaíma" descreve-lhe o movimento modernista no Brasil e seus principais marcos, como a Semana de Arte Moderna. O garoto acaba entendendo o que é que a mãe tanto estudava, além de compreender por que Mário de Andrade é não só um dos grandes pensadores do Brasil, mas um artista genial na sua multiplicidade. "Eu sou trezentos, sou trezentos e cinqüenta", ele escreveu num poema famoso. Não estava exagerando. Título Altamente Recomendável pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil - FNLIJ 2001, categoria jovem.
Edição1
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio

Quem viu, também comprou