0
0
Fantina - Cenas da Escravidão
Autor:
Editora:
Cód:
9786580341023

Fantina - Cenas da Escravidão

Autor:
Editora:
Cód:
9786580341023

Disponibilidade

Não é possível calcular o valor do Frete para o CEP informadoPrazo de entrega válido para pedidos feitos até as 22h00 com cartão de crédito e aprovado na primeira tentativa.

Por: R$ 49,00

Preço a vista: R$ 49,00

Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 49,00
Outras formas de pagamento
Opções de pagamento >
Comprar
Sinopse
Ficha Técnica

Calcule o valor do frete e prazo de entrega para a sua região

Sinopse

Descrição do Produto

Fantina - Cenas da Escravidão

Grupo Livros

AutorF. C. Duarte Badaro
ISBN9786580341023
TítuloFantina - Cenas da Escravidão
EditoraChão Editora
Ano de Edição2019
IdiomaPortuguês
Número de Páginas192
País de OrigemBrasil
AcabamentoBrochura
Altura21
Largura15
Profundidade1
Peso290
FormatoFísico
OrigemBrasil
Serie/Coleçãovazio
Volumevazio
SinopseEm Fantina, de F. C. Duarte Badaró, Frederico, malandro e sensual, conquista a viúva dona Luzia por puro interesse. Depois do casamento, estabelece-se uma situação típica das fazendas escravistas do século XIX: senhor da casa, o aventureiro inescrupuloso quer também exercer seu direito de posse sexual sobre as escravas. A figura desse malandro urbano, tocador de viola, adentra o universo da fazenda e — em meio a vívidas descrições de saraus regados a violão e modinhas na casa-grande, e de batuques de escravos nos terreiros — desencadeia o drama de Fantina, jovem e bela escrava de dona Luzia. O romance Fantina, publicado pela primeira vez em 1881, não apenas retrata usos e costumes do passado. Diz muito sobre o Brasil atual, em que diversas questões civilizatórias colocadas pela luta contra a escravidão estão novamente em pauta, em pleno século XXI. No posfácio a esta edição, o historiador Sidney Chalhoub (Harvard/Unicamp), analisa o papel fundamental que a literatura desempenhou no movimento abolicionista brasileiro. Compara Fantina a outros romances da época, como Escrava Isaura, Ursula e A cabana do pai Tomás, e mostra a naturalização do abuso sexual dos senhores sobre suas escravas, para o qual a lei não previa nenhuma punição. Afirma Chalhoub: “Então e agora, mentes e corpos de mulheres negras movem estruturas e despertam reações contrárias violentas. Ao mesmo tempo, exigem de todos nós a ousadia de imaginar e realizar um outro futuro em liberdade”.
Edição1
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio

Quem viu, também comprou