Buscar
Buscar

Domínio: o Poder do Ser Humano, o Sofrimento dos Animais e Um Pedido de Misericórdia

Por: R$ 99,90

Preço a vista: R$ 99,90

+-
Comprar
Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 99,90
Outras formas de pagamento
Domínio: o Poder do Ser Humano, o Sofrimento dos Animais e Um Pedido de Misericórdia

Grupo Livros

AutorMatthew Scully
ISBN9788520008775
TítuloDomínio: o Poder do Ser Humano, o Sofrimento dos Animais e Um Pedido de Misericórdia
EditoraCivilização Brasileira
Ano de Edição2018
IdiomaPortuguês
Número de Páginas546
País de OrigemBrasil
AcabamentoBrochura
Altura23
Largura16
Profundidade2,9
Peso610
FormatoFísico
OrigemBrasil
Serie/Coleçãovazio
Volumevazio
SinopseReportagem sobre as relações entre seres humanos e animais em uma sociedade global movida por interesses do capital financeiro. Domínio é uma leitura reveladora, dolorosa, enfurecedora, mas também perspicaz e gratificante. Trata-se de um apelo à compaixão e à misericórdia, um ataque mordaz àqueles que acreditam ser o ativismo pelos direitos dos animais mero exemplo de sentimentalismo. Também é um clamor por reformas governamentais a favor do tratamento ético para com os animais. Entre outras informações inquietantes, o livro apresenta a instituição que promove o turismo de caça, cujos integrantes são capazes de pagar valores consideráveis para caçar elefante, leão ou algum outro animal encarcerado nos chamados “ranchos de safári”, localizados nos Estados Unidos ou em países africanos. O livro relata também o teor de uma das conferências anuais da Comissão Baleeira Internacional, cujo foco está em desenvolver métodos mais letais de obter “recursos marinhos vivos”. Além disso, expõe a realidade de fazendas industriais, nas quais os animais são tratados como meros produtos: criados em condições de confinamento em massa, inseminados e alimentados por máquinas, mantidos enclausurados durante toda a vida e, por fim, abatidos – sem qualquer cuidado, senão com a maximização dos lucros. “O argumento de Scully é fundamentalmente moral. Quando nossa crueldade se expande e se altera até o ponto em que não reconhecemos que animais em uma fazenda são criaturas vivas capazes de sentir dor e medo – ou quando insistimos em um direito inalienável para perseguir e matar criaturas inteligentes, como elefantes ou ursos-polares, para a pura e franca emoção […] –, é porque nos degradamos.” Natalie Angier, The New York Times Book Review
Edição1
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio