Buscar
Buscar

entrega-expressa

Assassinato Como Obra de Arte Total

Por: R$ 64,90

Preço a vista: R$ 64,90

+-
Comprar
Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 64,90
Outras formas de pagamento
Sinopse
Ficha Técnica
Assassinato Como Obra de Arte Total

Grupo Livros

AutorGuillaume Apollinaire, Robert Desnos, Thomas Penson de Quincey, José Fernández Bremón
ISBN9786555050585
TítuloAssassinato Como Obra de Arte Total
EditoraPerspectiva
Ano de Edição2021
IdiomaPortuguês
Número de Páginas240
País de OrigemBrasil
AcabamentoBrochura
Altura21
Largura14
Profundidade1,5
Peso296
FormatoPapel
OrigemBrasil
Serie/Coleçãovazio
SinopseSINOPSE Crimes de assassinato causam horror e aguçam a curiosidade. Por quê? Como? Aonde? Quais circunstâncias? Quando juntamos num mesmo balaio nossos fantasmas confrontados com eventos reais, adicionando ainda uma boa prosa, inteligente e investigativa, já curtida pela passagem do tempo, que nos transporta a um passado não tão distante, mas bem diferente, chegamos a “Assassinato Como Obra de Arte Total”, em que reportagem, investigação e fatos terríveis se unem e transformam o horror e a perversidade em literatura de alta qualidade. QUARTA-CAPA Crimes de assassinato sempre despertam a curiosidade pela torpeza, motivações e características que envolvem os fatos e as investigações. Muitas vezes, chamam a atenção os procedimentos minuciosos ou as circunstâncias inesperadas que os envolvem. “O Assassinato Como Obra de Arte Total foi organizado e traduzido pelo estudioso de literatura Alcebiades Diniz Miguel, reunindo narrativas brilhantes de alguns casos. Em seu Posfácio, o tradutor discute esse tipo de evento, seus fetiches e a arte de contá-los com arte. Dividida em duas partes, a primeira, A Teoria, traz os três famosos ensaios de Thomas De Quincey sobre os crimes da Ratcliff Highway em Londres, “Do Assassinato Como uma das ­Belas-Artes”, que tanto influenciaram outros escritores, principalmente Edgar Allan Poe, menos pela ironia e mais pela análise fria, detetivesca mesmo, da cena e do modus operandi do perpetrador. Na segunda parte, A Prática, um conto de José Fernández Bremón (“Um Crime Científico”), outro de Guillaume Apollinaire (“O Marinheiro de Amsterdã”) e a série de artigos de Robert Desnos (“Jack, o Estripador”) mostram como a semente lançada por De Quincey germinou, dando origem a diferentes frutos. Que o leitor prove desses frutos sem se preocupar, pois não se trata aqui de lutar com monstros, ou se deixar seduzir por eles, mas do ato mais inegavelmente humano: buscar sentido nas coisas, mesmo em uma carnificina, transformando a informação fria e a especulação sensacionalista dos jornais em arte literária. PARALELOS A coleção Paralelos abriga literatura de ficção e contos de evidente qualidade literária. DA CAPA Imagem da capa: detalhe de tela de Pollock com um corpo estirado demarcado em alusão à marca que investigadores costumam riscar no chão em casos de morte com motivos desconhecidos. A imagem confunde o observador à primeira vista, com o desenho do corpo embaralhado no emaranhado de riscos e respingos que se espalha por trás, realçan
Edição1
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio

Quem viu, também comprou