0
0
Antologia Poetica
Autor:
Editora:
Cód:
9788525437693

Antologia Poetica

Autor:
Editora:
Cód:
9788525437693

Disponibilidade

Não é possível calcular o valor do Frete para o CEP informadoPrazo de entrega válido para pedidos feitos até as 22h00 com cartão de crédito e aprovado na primeira tentativa.

Por: R$ 34,90

Preço a vista: R$ 34,90

Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 34,90
Outras formas de pagamento
Opções de pagamento >
Comprar
Sinopse
Ficha Técnica

Calcule o valor do frete e prazo de entrega para a sua região

Sinopse

Descrição do Produto

Antologia Poetica

Grupo Livros

AutorAnna Akhmátova
ISBN9788525437693
TítuloAntologia Poetica
EditoraL&Pm
Ano de Edição2018
IdiomaPortuguês
Número de Páginas208
País de OrigemBrasil
AcabamentoBrochura
Altura20
Largura13
Profundidade1,4
Peso280
FormatoFísico
OrigemBrasil
Serie/Coleçãovazio
Volumevazio
Sinopse"Uma voz feminina contra a opressão Tradução do russo, seleção, apresentação e notas de Lauro Machado Coelho O tom intimista e confessional de sua poesia fez com que Anna Akhmátova (1889-1966) se tornasse um grande sucesso desde a publicação de seu segundo livro, Rosário, em 1914. Era a primeira vez na literatura russa que uma mulher não tentava competir com os homens, mas sim criar uma expressão única ao utilizar uma linguagem concisa, direta e despida de ornamentos, atingindo o leitor menos por aquilo que é dito do que por aquilo que deixa de estar lá. Este volume reúne as mais importantes criações de Anna Akhmátova, incluindo “Poema sem herói”, que ela considerava o coroamento de sua obra. Escrito durante a Segunda Guerra Mundial, carregava a marca do sofrimento que foi a vida da poeta. Perseguida pelas autoridades stalinistas, que a proibiram de publicar, ela teve que enfrentar o fuzilamento do primeiro marido, a morte do terceiro num campo de concentração e a terrível angústia de ver o filho preso. Para lutar contra essa barbárie, Akhmátova deu vida a um dos maiores testemunhos literários do sofrimento individual sob a opressão política. Hoje, tenho muito o que fazer: devo matar a memória até o fim. Minha alma vai ter de virar pedra. Terei de reaprender a viver. (Trecho de “O veredicto”)"
Edição1
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio

Quem viu, também comprou