Buscar
Buscar

entrega-expressa

Amai E... Não Vos Multipliqueis

Por: R$ 74,00

Preço a vista: R$ 74,00

+-
Comprar
Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 74,00
Outras formas de pagamento
Amai E... Não Vos Multipliqueis

Grupo Livros

AutorMariana Patrício Fernandes, Maria Lacerda de Moura
ISBN9786599012297
TítuloAmai E... Não Vos Multipliqueis
EditoraChão Editora
Ano de Edição2022
IdiomaPortuguês
Número de Páginas328
País de OrigemBrasil
AcabamentoBrochura
Altura21
Largura15
Profundidade2
Peso430
OrigemBrasil
Serie/Coleçãovazio
Sinopse“Em que consiste a emancipação feminina? De que serve o direito político para meia dúzia de mulheres, se toda a multidão feminina continua vítima de uma organização social de privilégios e castas em que o homem tomou todas as partes do leão?” Publicado originalmente em 1932, "Amai e... não vos multipliqueis" é um grito de protesto contra todas as formas de autoridade que oprimiam e oprimem as mulheres: a família, a Igreja, o capitalismo e os governos fascistas — e também o próprio feminismo, o comunismo ou qualquer tentativa de combater uma autoridade colocando outra em seu lugar. O livro é uma coletânea de artigos que Maria Lacerda de Moura, pioneira do feminismo anarquista, escrevia para o jornal "O Combate". Os textos têm como interlocutores contemporâneos da autora no cenário político da época, à esquerda e à direita, em um Brasil e um mundo tão ou mais polarizados que os de hoje, quando comunistas e integralistas se enfrentavam fisicamente nas praças do país e o fascismo avançava na Europa. Para contrapor-se à associação entre fascismo, machismo, clero e capitalismo, "Amai e… não vos multipliqueis" defende o amor como via de emancipação, sobretudo para as mulheres: escolher quem amar, poder amar mais de uma pessoa, escolher ser ou não ser mãe eram meios de libertá-las das garras do patriarcado — mais eficazes, segundo a autora, do que a conquista do direito ao voto pelo qual lutavam Bertha Lutz e o movimento sufragista brasileiro. Com isso, o livro vincula a questão da emancipação feminina à luta pela emancipação do indivíduo no capitalismo industrial, o que o aproxima do feminismo da década de 1960 e abre um amplo espectro de possibilidades de diálogo com o feminismo atual.
Edição1
LivroDigitalvazio
PrevendaVazio